Como o coronavírus difere da gripe: sintomas a observar

Como o coronavírus difere da gripe: sintomas a observar

Como o coronavírus difere da gripe? É o que vamos discorrer nesta matéria.

As autoridades sanitárias solicitam que qualquer pessoa que desenvolva os possíveis sintomas do novo coronavírus entre em contato com os prestadores de cuidados de saúde para saber sobre os próximos passos e possíveis testes.

Entretanto, com milhões infectados pelo vírus da gripe, muitos estão se perguntando como saber a diferença entre os dois vírus (Covid-19 x Influenza).

Sobreposição de sintomas

Para a Fox New o Dr. Caesar Djavaherian, co-fundador da Carbon Health, esclareceu:

“Há tanta sobreposição de sintomas entre gripe e COVID-19, mas existem algumas diferenças marcantes” 

 “A gripe tende a causar muito mais dores no corpo e o vírus COVID-19 tende a parecer muito mais com o resfriado comum com febre, tosse, coriza e diarréia. No entanto, em uma pequena parcela da população com COVID-19 ou influenza, os sintomas progridem para insuficiência renal e insuficiência respiratória. ”

Gripe x COVID-19 – Hospitalização nos EUA

Os dados brasileiros tem-se mostrado muito controversos, com uma diminuição grande de morte por outras doenças, em comparativo com o ano anterior, e um incremento dos casos de COVID-19. As estatísticas brasileiras falham em descrever a associação a outras doenças no momento da morte. Isso sem contar nos casos em que familiares relatam que a pessoa ingressou no Hospital com um tipo de doença e na Certidão de Óbito aparece “COVID-19” como a causa da morte.

Até o final de fevereiro, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) americanos estimaram que pelo menos 32 milhões de casos da gripe foram notificados nos EUA, resultando em 310.000 hospitalizações e 18.000 mortes. Para o coronavírus , em 3 de março o número de casos confirmados nos EUA havia atingido 100, incluindo vários casos positivos presuntivos e 24 em americanos repatriados. Pelo menos nove pacientes com COVID-19 morreram.

Mas várias autoridades de saúde, incluindo o governador de Nova York (Partido Democrátas), Andrew Cuomo, alertaram que pessoas saudáveis ​​que contraem a COVID-19 podem nem saber que o têm, e curarão sem nenhum tratamento. Outros dizem que sua experiência será semelhante à de um resfriado comum, mas para aqueles com problemas de saúde subjacentes, o vírus pode ser grave. E esta informação que a grande mídia não quer repassar de modo algum. O medo na população pode ter interesses como obrigá-los a ficarem em casa, assistindo TV e aumentando a audiência.

“As diferenças surgem na parcela muito pequena da população que está em risco por causa de suas condições pulmonares ou cardíacas, cujos pulmões podem se encher de líquido ou entrar em insuficiência renal e, infelizmente, eventualmente morrem com o COVID-19”, disse Djavaherian.

E como evitar o contágio?

Segundo os especialistas, uma das maneiras mais importantes de impedir a disseminação é evitar o contato com uma pessoa doente e praticar sua própria boa higiene. Parte disso inclui ficar em casa quando você está doente e lavar bem as mãos.

Se você estiver doente, monitore seus sintomas diariamente e, quando seu resfriado comum se transformar em uma tosse profunda e incansável e, em seguida, falta de ar, esses são os sinais com os quais nos preocupamos e os sinais que exigem que os pacientes obtenham atendimento médico imediatamente” Djavaherian disse. “Eles podem ser de pneumonia, mas em um grupo muito, muito pequeno de pacientes, talvez uma infecção por COVID-19 que tenha entrado nos pulmões.”

Djavaherian disse que é imperativo ligar para o seu médico com antecedência para compartilhar seus sintomas e preocupações, para que eles possam preparar os testes apropriados e proteger outras pessoas de uma possível exposição. Ou seja, o paciente deve ser prudente ao realizar qualquer tipo de deslocamento.

Como o coronavírus difere da gripe? No Brasil, a maioria dos Estados possui um sistema de atendimento para COVID-19. No DF, por exemplo, ao ligar 193 o paciente é redirecionado para um profissional da área de saúde.

“Eu também recomendo o uso da telemedicina, onde você pode consultar um médico por telefone ou vídeo, para tirar suas dúvidas do conforto e segurança de sua casa, sem colocar em risco outras pessoas ou a si mesmo”, disse ele.

Como o coronavírus difere da gripe

Além do conhecimento básico, o melhor procedimento é o esclarecimento com profissionais de saúde especializados.

O saber como o coronavírus difere da gripe é a informação inicial para o início da batalha, principalmente para que se evite a disseminação para pessoas com comorbidades.

ASSISTA AO VÍDEO:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *